Drama dos refugiados na Faixa de Gaza se agrava com nova rodada de ataques

Mais uma vez, dezenas de milhares de pessoas em Gaza estão em movimento, enquanto os militares israelenses emitem novas ordens de retirada para uma série de áreas na Cidade de Gaza.

Área destruída após ataques israelenses em Khan Younis, na Faixa

Área destruída após ataques israelenses em Khan Younis, na Faixa

Mais uma vez, dezenas de milhares de pessoas em Gaza estão em movimento, enquanto os militares israelenses emitem novas ordens de retirada para uma série de áreas na Cidade de Gaza.

Nos últimos 10 dias, as Forças de Defesa de Israel (IDF) emitiram instruções para que centenas de milhares de pessoas em Khan Younis, no sul, Shujaya, no centro de Gaza e em vários bairros da Cidade de Gaza, saíssem.

O efeito foi o aumento do número total de pessoas deslocadas em Gaza, de 1,7 milhão em maio para cerca de 1,9 milhão atualmente, segundo a ONU. Estima-se que aproximadamente nove em cada 10 pessoas em Gaza sejam deslocadas internamente, muitas delas múltiplas vezes.

"O deslocamento em massa tem sido predominantemente impulsionado por ordens de evacuação emitidas pelos militares israelenses, pela destruição extensiva de infraestruturas públicas e privadas, pelo acesso restrito a serviços essenciais e pelo medo persistente de hostilidades em curso", de acordo com a avaliação mais recente do Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

Não está claro quantas pessoas na Cidade de Gaza atenderam à última ordem de evacuação. Muitos civis têm receio de abandonar qualquer abrigo que tenham para uma viagem incerta rumo a um destino ainda mais incerto, vivendo nas ruas ou nas aldeias de tendas superlotadas e insalubres que surgem com cada ordem de evacuação.

As FDI disseram que as ordens de evacuação são necessárias para que os civis não sejam apanhados nas suas operações renovadas em áreas onde o Hamas procura restabelecer a sua presença. As FDI insistem que não medem esforços para evitar vítimas civis.

O Hamas disse que as evacuações ameaçam levar as negociações para um cessar-fogo e um acordo de reféns ao "ponto zero".

Khader Al Za'anoun, jornalista da Wafa, a agência de notícias oficial palestina, disse à CNN que no final do domingo as pessoas nos bairros de Tuffah, Cidade Velha e Daraj foram instruídas a se mudarem para "abrigos conhecidos no oeste da Cidade de Gaza".

Mas ele disse que a evacuação em grande escala ocorreu em meio a ataques aéreos e de drones.

"Foi assustador, as pessoas corriam, algumas estavam em cadeiras de rodas, todos em pânico sem saber para onde ir. Os pesados bombardeios estavam próximos e a fumaça enchia os céus", disse Al Za'anoun à CNN depois de chegar à área portuária.

Uma jornada cheia de perigo

Os ataques continuaram durante toda a noite, juntamente com repetidos tiroteios em áreas onde as pessoas estavam abrigadas.

"Decidi esperar até de manhã e não me mover devido à situação perigosa", disse Al Za'anoun.

Mas, ao amanhecer, os ataques aéreos atingiram um edifício alto perto de onde ele, a sua família e muitas outras pessoas deslocadas se refugiavam.

"Naquele momento, para proteger a vida da minha família, decidi deixar o local e ir para a zona portuária da zona oeste da cidade numa viagem cheia de perigos".

Al Za'anoun enviou fotografias da sua família a caminhar pelas ruas em ruínas enquanto arrastava um carrinho de bebé com os restantes pertences.

As IDF confirmaram à CNN que a ordem de evacuação de partes da Cidade de Gaza foi a terceira nos últimos 10 dias.

O OCHA estima que cerca de 80 mil pessoas viviam na área de Shujaya quando a ordem de evacuação veio em 27 de junho. Outras 250 mil pessoas que viviam no leste de Khan Younis e Rafah foram colocadas sob ordem de evacuação pelas autoridades israelenses em 1º de julho.

Naquele dia, as FDI disseram que as pessoas em 71 blocos residenciais no leste de Khan Younis e Rafah deveriam se deslocar imediatamente para o oeste, para o que define como uma "zona humanitária" em Al Mawasi.

A OCHA disse que a área inclui postos médicos, centros de saúde primários e 14 cozinhas de campo, bem como um centro de tratamento de esgotos. Afirmou que os deslocados internos "foram para a zona ocidental de Khan Younis e Deir al-Balah, que já estão sobrelotadas e carecem de serviços básicos, infraestruturas críticas, materiais de abrigo e espaços para acomodar o novo influxo de deslocados internos".

Sem pacientes, sem equipamento, não funciona mais

O OCHA e outras agências afirmam que as ordens de evacuação tiveram um grande impacto nos poucos hospitais operacionais em Gaza.

No dia 2 de julho, as autoridades israelenses esclareceram que o Hospital Europeu de Khan Younis não estava incluído na ordem de evacuação.

Era tarde demais. A maior parte da equipe médica e dos pacientes havia partido. Um funcionário da ONU – Jonathan Whittall – relatou do hospital: "Não há pacientes, não há equipamento e já não funciona".

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Ghebreyesus, disse no X que era "devastador ver o hospital com capacidade para 650 leitos fora de serviço num momento em que o acesso aos cuidados de saúde é urgentemente necessário".

A equipa da Cruz Vermelha Internacional no hospital – que realizou mais de 3.000 cirurgias desde o início do conflito – também saiu.

Muitos dos que deixaram o hospital europeu aglomeraram-se no vizinho Complexo Médico Nasser, que atingiu a capacidade total.

A OMS e outras agências conseguiram transferir grande parte do equipamento do Hospital Europeu para Nasser, incluindo ventiladores e aparelhos de anestesia. Mas a equipe médica ficou se perguntando se e quando teriam que se mudar novamente.

Agora, um dos principais hospitais da Cidade de Gaza – o Al Ahli Baptist – também fechou as suas portas. A Igreja Episcopal de Jerusalém, que administra o Al Ahli, disse que após vários ataques de drones nas imediações no domingo, o hospital foi incluído na "zona vermelha" para retirada.

Área destruída após ataques israelenses em Khan Younis, na Faixa de Gaza / 22/05/2024 REUTERS/Mohammed Salem

"Como resultado", disse a igreja no Facebook na segunda-feira (7), "todas as pessoas vulneráveis abrigadas no local, os funcionários e todos os pacientes tiveram que deixar a segurança do local… Nosso hospital está agora fora de operação num momento em que seus serviços têm uma demanda muito significativa".

O Arcebispo Hosam Naoum disse que a diocese protestou contra o encerramento nos termos mais fortes possíveis e apelou às autoridades israelenses para que permitissem a sua reabertura. A CNN entrou em contato com a IDF para obter uma atualização sobre a situação do hospital.

O OCHA disse que "Atualmente, apenas 15 dos 36 hospitais de Gaza permanecem funcionais, embora parcialmente, e a maioria está apenas parcialmente acessível aos pacientes".

Após a última ordem de evacuação, a CNN filmou na rota principal de saída da Cidade de Gaza – rua al-Rasheed – em direção ao que as IDF descreveram como "áreas seguras". Estava praticamente vazio. Um repórter da CNN na Cidade de Gaza, ele próprio agora deslocado, disse que muitas pessoas tinham tomado ruas secundárias com medo de serem alvos na estrada principal.

Saleh era um jovem que tentava seguir na direção oposta, para a Cidade de Gaza, descrevendo-se como "farto desta guerra, farto de tudo". Mas ele e alguns outros com ele encontraram tanques e infantaria israelenses.

"Nós fugimos deles, mas teve um atirador que começou a atirar na gente. Os soldados desceram do tanque e continuamos correndo enquanto os tanques nos perseguiam".

Saleh foi baleado no estômago, mas escapou para a costa, onde disse ter se protegido até que os tanques deixassem a área.

‘O que vamos comer hoje?’

Além dos perigos óbvios de se deslocar de uma parte de Gaza para outra, os constantes deslocamentos tornam mais difícil para as agências de ajuda humanitária direcionar o fornecimento de alimentos. O Programa Alimentar Mundial afirmou na segunda-feira que "quase meio milhão de pessoas em Gaza enfrentam níveis catastróficos de fome. Devido ao acesso não confiável e aos estoques limitados, as famílias muitas vezes não recebem as rações completas e na frequência de que necessitam".

O OCHA disse que as ordens de evacuação complicam o desafio logístico de distribuição da ajuda. Afirmou que entre 1 e 4 de julho, apenas uma das 13 missões de assistência humanitária planejadas e coordenadas com as autoridades israelenses ao norte de Gaza foi facilitada — as outras foram impedidas ou canceladas. A situação no sul era melhor, com 43 das 55 missões facilitadas pelas autoridades israelenses.

O Conselho Norueguês para os Refugiados afirma que, enquanto as pessoas fugiam de Khan Younis na semana passada, muitas passaram a primeira noite a dormir ao ar livre, ao lado dos seus pertences.

"Outros caminharam distâncias muito longas, carregando os seus filhos e tudo o que pudessem trazer consigo", disse Maysa Saleh, responsável pela educação do NRC em Deir al-Balah.

"Tudo aperta ao redor deles… a primeira pergunta de todas as manhãs é a mesma: o que vamos comer hoje?"

"As tendas também estão praticamente esgotadas", disse Saleh. "Outro dia, vi uma tenda feita de sacos de arroz vazios e costurados."

"Tem tantas crianças espalhadas pelas ruas, você anda por aí e vê crianças morando lá porque agora é a casa delas".

O NRC concorda com a estimativa do OCHA de que cerca de 250 mil pessoas fugiram de Khan Younis "principalmente para áreas ocidentais sobrelotadas e para Deir al-Balah".

Afirmou que as ordens de evacuação "carecem de garantias de segurança, alojamento adequado ou regresso assim que as hostilidades terminarem para aqueles que foram forçados a deslocar-se".

A oficial sênior de comunicações da UNRWA, Louise Wateridge, descreveu sua jornada por Khan Younis na segunda-feira em um post no X.

"Abrigos improvisados, até onde você pode ver, famílias coletando água, crianças procurando no lixo coisas para comer, vender ou queimar para cozinhar", escreveu ela.