Otan acusa China de abastecer Rússia em ataques contra a Ucrânia

.

Otan acusa China de abastecer Rússia em ataques contra a Ucrânia
Acusação marca a primeira vez que a Aliança do Atlântico Norte (Otan) reconhece a China como uma ameaça, ecoando discurso dos EUA sobre o país asiático. Líderes dos países-membros do bloco estão reunidos em Washington nesta semana. Reunião de líderes da Otan em Washington, nos EUA, em 10 de julho de 2024.

AP Photo/Evan Vucci

A Aliança do Atlântico Norte (Otan) acusou a China de abastecer a Rússia para ataques realizados contra a Ucrânia. A declaração feita em documento conjunto dos 32 Estados-membros marca a primeira vez que o bloco militar reconhece a China como uma ameaça.

No documento, produzido após o encontro de líderes do bloco em Washington nesta quarta-feira (10), a Otan chamou a China de uma "facilitadora decisiva" do esforço de guerra da Rússia na Ucrânia, dizendo que Pequim continua a representar desafios sistêmicos para a segurança euro-atlântica. Além disso, exigiu que os chineses interrompessem o envio de "componentes de armas" e outras tecnologias consideradas críticas para a reconstrução do exército russo.

? Clique aqui para seguir o canal de notícias internacionais do g1 no WhatsApp

A acusação marca uma grande mudança no posicionamento da Otan em relação à China, que até 2019 nunca mencionava oficialmente o país asiático como uma preocupação.

O encontro, que começou na terça (9) nos EUA e tem três dias de duração, celebra os 75 anos da aliança militar ocidental. Entre as pautas discutidas pelos líderes dos países-membros estão os atuais desafios enfrentados pelo bloco e a busca por tranquilizar a Ucrânia quanto à durabilidade do apoio da aliança na defesa frente à invasão russa.

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, também está participando da cúpula, apesar da Ucrânia não ser membro da Otan. As conversas para o país ingressar ao bloco estão avançando --o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse nesta quarta que o caminho para a entrada da Ucrânia na organização é "irreversível", mas ainda existem obstáculos para serem superados.

A Ucrânia está em guerra contra a Rússia desde 2022, quando o exército russo invadiu o território ucraniano. Nesta semana, um ataque russo deixou 38 mortos e atingiu diversas regiões do país europeu, entre elas um hospital infantil em Kiev.

LEIA TAMBÉM:

Biden resiste às pressões e recebe líderes mundiais para o aniversário de 75 anos da Otan

Em meio a furacão político, Biden recebe líderes da Otan para cúpula de 75 anos da aliança

VÍDEO: Primeiro-ministro britânico deixa reunião da Otan para ver gol de empate da Inglaterra contra Holanda na Eurocopa

Faixa anunciando cúpula da Otan em Washington, nos Estados Unidos, por conta da cúpula de 75 anos da aliança militar, em 9 de julho de 2024.

Yves Herman/ Reuters